domingo, 12 de outubro de 2031

Introdução Ao Blogue




"E vislumbrando estava eu, sobre esse mundo interminável."
~ O Zohar

Antes de se aventurar pelas páginas deste blogue é importante tomar em consideração que as publicações são dirigidas a estudantes intermédios ou avançados de Cabala. É aconselhável a leitura e pesquisa de material para principiantes, bem como cursos introdutórios e curtos vídeos (1) (2) (3) (4) (5) (6) para o estudo diário


(Active as legendas no botão no canto inferior esquerdo)



quinta-feira, 24 de março de 2016


“Se nos unirmos, então não há força no mundo que possa ir contra nós, nenhuma força no mundo.”

O Feriado de Purim Revelado nos Nossos Tempos

Todos os eventos descritos na história de Purim são pistas para as correcções que temos de atravessar. É importante traduzir estas correcções da linguagem poética e colorida da lenda para a linguagem das mudanças internas qualitativas em prol de entendermos de que ela fala somente de como fortalecer a conexão entre nós.

O começo do Pergaminho (Meguilá) fala sobre a nação de Israel, dizendo que há uma nação que está dispersa entre outras nações. Isto significa que o egoísmo entra entre as pessoas que aspiram "direito ao Criador" (Isra-El, Yashar-El). Este ego que as separa trás esta nação à ameaça do extermínio.

Mas quando a nação de Israel (ou seja todos nós que aspiramos ao Criador) entende que é necessário nos unirmos juntos e eles fazem acções pelo bem desta união, então a força de Mordechai ascende e a força de Hamã cai e nós somos capazes de assumir o controle sobre nosso egoísmo, sobre o ódio que nos separa.

O Criador, a força superior, nunca é mencionada directamente no Meguilá. Ele fala sobre o Rei Ahashverosh, mas não sobre o Criador pois Ele está oculto como resultado do preenchimento dos Kelim (vaos/desejos) por corrigir. O Criador só é sentido nos Kelim corrigidos como sua doação mútua. O mesmo amor que sentimos uns pelos outros no nosso estado corrigido é a revelação da força superior, o Criador.



Festa Judaica de Purim - O Modo Certo Para Solucionar o Antissemitismo



Purim: O Fim da Correcção

Como chegamos a esse feriado? Nosso trabalho todo é baseado em elevar uma oração(MAN) para a unificação e amor entre nós, que estamos tentando realizar. Todo o nosso trabalho é dedicado a corrigir a quebra. Primeiro temos que nos unir em torno do nível de “doação em prol da doação,” o que significa que a qualidade de Mordechai.

Quando chegamos ao “rei do portão” (como a história fala sobre Mordechai, que sentou-se ao rei do portão), lá encontramos o nosso Hamã, horripilante enorme desejo egoísta que se revela a nós. Então nós temos que corrigi-lo e receber a luz em seus Kelim com a intenção de Mordechai, “por causa da doação.” É assim que pessoa pode receber a Luz de Mordechai nos Kelim de Hamã e alcançar o fim da correção (Gmar Tikun).

Temos de ter a força, o “recipiente espiritual” da nossa natureza, nossos desejos egoístas, e adicionar a esses desejos a intenção “por causa da doação” para que ele comece a governar sobre nós, “a sela do desejo ” Mordechai como quem cavalga em cima de um cavalo.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Como Controlar Seu Caminho Espiritual


As pessoas muitas vezes desejam saber se ao estudarem a Cabala se tornarão mais espertas. Quando uma pessoa nasce, os seus desejos são muito pequenos. Depois, eles começam a se desenvolverem ligeiramente. A medida do desenvolvimento destes desejos determina a medida do desenvolvimento da mente. O cérebro pode se desenvolver apenas na medida necessária para satisfazer os nossos desejos. Mas, quando embarcamos no estudo da Cabala, os nossos desejos crescem e nos tornamos cada vez mais egoístas, e, portanto mais espertos. Mas não há necessidade para se preocupar: quando estuda, você obtém de Cima tudo o que precisa para o seu desenvolvimento. Você na verdade sentirá algo novo dentro de si – uma dádiva do Criador.

Por vezes, e após anos de estudo da Cabala, o objetivo das nossas vidas torna-se “rotina”. Aqueles pensamentos especiais parecem desaparecer, e às vezes é como se não houvesse movimento ou realizações. Às vezes, o próprio objetivo desaparece. Isto, na verdade, é temporário. É quando sentimos um vazio absoluto, o qual ocorre apenas quando nos esforçamos por compreender com toda a nossa força, que fazemos o verdadeiro progresso.

A nossa luta pode ocorrer debaixo das situações mais desesperadoras, e após anos de desapontamentos e de constantes despertares das nossas aspirações pelo objetivo. Então, gradualmente, torna-se claro que só o Criador pode mudar as nossas situações. Tal mudança pode ocorrer apenas pela nossa total devoção, apesar das cascas, ou seja, dos nossos desejos egoístas de obter prazer na Luz do Criador, nos dizem constantemente que ainda podemos fazer as coisas por nós mesmos. Só então, e sem nenhum aviso, vem a ajuda do Criador, como um sonho que se torna realidade, no momento menos esperado.

A Tela Espiritual que Nos Conduz para o Desconhecido

A coisa mais importante na Cabala é conseguir a tela, que você começa a cultivar por sua própria conta. A tela nasce e desenvolve-se em nós sem nenhuma intenção da nossa parte, porque não sabemos o que é. Todas as coisas novas que aparecem em nós são somente consequência direta dos nossos estudos.

Nós não conseguimos saber o que vai aparecer em nós no próximo instante. Será sempre algo estranho e novo, então como vamos saber disso antecipadamente? Como podemos prever?

“Novo” significa algo de um nível mais alto do que meu nível atual. Portanto uma tela não pode ser cultivada intencionalmente.

Como Equilibrar Mudanças de Humor, "Sobes e Desces" No Caminho

Se, depois de algum tempo, lhe faltar prazer no seu ambiente de estudo, lembre-se que esse é um estado temporário. Continue estudando e a sua alienação da sociedade logo será substituída pela situação oposta: você sentirá que existem mais prazeres à sua volta do que jamais sentiu. Então, descobrirá um desejo de receber, maior do que antes dentro de você. Isto acontecerá para lhe dar algo para você corrigir.

Quando sentir falta de desejo por sucesso espiritual, leia bastante, e leia apenas o material que o seu professor sugerir, aquelas partes que o seu coração deseja. Em momentos assim, o meu professor sugeriu que eu dividisse o estudo entre o Prefácio à Sabedoria da Cabala, os artigos e cartas. Estude tudo o que é convidativo à sua alma.

Os estados de espírito mudam freqüentemente no decorrer do caminho. Isto é natural e mostra que você está progredindo. Os artigos que você ler, mostrarão que os seus sentimentos e pensamentos são típicos de alguém que está progredindo. De manhã, antes do trabalho, estude A Ciência da Cabala (Pticha) durante uma hora e antes de dormir leia as cartas e artigos que falam do trabalho interno.

Quando você, como estudante da Cabala, sentir falta de entusiasmo, o que está sentindo é o começo da recepção dos seus novos valores e da sua reação a este fenômeno. Este período demora algum tempo; você não pode realizar mudanças significativas de uma só vez, porque a sua mente, os seus sistemas fundamentais, o seu sistema nervoso, e os relacionamentos recíprocos com o seu ambiente, fazem com que seja muito difícil fazer isso.

Se você sentir isso, a boa notícia é que você já começou o processo inicial de mudança interna. Continue estudando e fazendo perguntas. Você é apenas como qualquer outra pessoa que sente os efeitos iniciais do estudo correto no seu mundo interno. A pessoa que estuda a Cabala não desce de um estado anterior, mas sobe para um mais alto, portanto não há razão para desespero, muito menos para depressão.

Viver o Próximo Grau, Fazendo-o Acontecer

Existe uma lei na natureza chamada de “a lei da equivalência de forma”. Esta lei faz com que objetos com atributos similares se aproximem, e objetos com atributos opostos se distanciem uns dos outros. Quando indícios de atributos espirituais surgem, esta lei começa a agir sobre nós na medida em que alcançamos estes atributos. Se você estudar o material de maneira correta, verá que várias pequenas mudanças acontecem dentro de si. Verá que está sendo conduzido, que existe uma alma dentro de si, e que algo o está afetando do exterior.

Verá que a sua alma e a Luz do Criador, que a afetam, estão conduzindo você, e não o seu cérebro físico. A sua mente contém conhecimento do presente, ao passo que, o futuro permanece desconhecido. Porém, mesmo antes do futuro lhe ser revelado, você quer fazer mais do que apenas fantasiar sobre ele; você quer agir como se estivesse nele, como se tivesse ascendido ao próximo nível de consciência.

Quando estudamos a Cabala de maneira correta, a Luz circundante que é despertada trabalha as nossas almas e inicia o próximo estado espiritual. Esse estado irá chegar por si só, e substituirá o estado presente. Ao fazer esforços consideráveis no estudo da Cabala, a pessoa pode acelerar mudanças pessoais. Esta é de fato, a única liberdade de escolha que temos neste mundo.

 “Como Controlar Seu Caminho Espiritual” é baseado no livro, Sabedoria Maravilhosa: O Guia Para o Estudo da Autêntica Cabala por Michael R. Kellogg.

O Que é a Espiritualidade?


Espiritualidade. A própria palavra provoca uma cavalgada de descrições, que varia entre o que encontramos no fundo de uma garrafa de tequila, a religião, a cultos, a fantasmas e a gnomos. Mas o que é essa coisa a que chamamos de "espiritualidade?" É um lugar como o céu? É uma religião como o Cristianismo, o Judaísmo ou o Islã? É uma condição? É um estado de espírito? Ou é uma combinação?

Se considerarmos a carência do qual sofremos, nós podemos resumi-la. Seja o que a espiritualidade for, não é definitivamente daqui, deste mundo em que vivemos, comemos, dormimos, respiramos e satisfazemos uma quantidade generosa dos nossos desejos. O tema tem sido discutido, refutado, pontificado, enterrado, e ressuscitado mais vezes do que pode ser enumerado. Contudo, qualquer que seja a razão, uma definição única de “espiritualidade” ainda nos escapa.

Tendo sido examinada de vários sentidos, a maioria das pessoas concorda com um fato: a espiritualidade é onde a “alma” reside. Em outras palavras, é o meio ambiente da alma. Isto é tudo muito bom, mas não define nada até sabermos o que é uma alma. É como dizer a alguém de outro planeta que "isto é uma casa de cachorro" sem saber o que é um cachorro.

Em geral, existem quatro atitudes comuns acerca da alma, bem como da nossa existência física e espiritual. Essas quatro atitudes são religiosa, secular, científica e filosófica.

O Que é a Alma?

Abordagem Religiosa

Vestida dentro de cada um dos nossos corpos físicos, há uma entidade eterna chamada de “alma”. A alma é eterna, e como objeto não tem praticamente nada a ver com o mundo em que vivemos fisicamente, salvo se habita um corpo. Tem uma existência completamente independente do corpo físico e existe antes, durante e depois da existência do corpo físico.

A alma não é um “corpo”, como o conhecemos, não tem órgãos ou atributos físicos, e pode ser considerada “una” ou indivisível.

O próprio corpo é simplesmente uma substância física e biológica sem características próprias até que a alma o habite. O domiciliar de uma alma num corpo é chamado de "nascimento" físico e a saída de uma alma de um corpo é chamada de “morte” física. Sem a alma, o corpo não se move ou interage de forma nenhuma, porque a alma é responsável pela vida e movimento do corpo.


Abordagem Secular

Esta abordagem também é conhecida como abordagem "dualista", para explicar a existência da alma, bem como para explicar a nossa existência física.

Com certeza as almas habitam os corpos, mas não necessitam fazê-lo para que o corpo físico exista. O corpo biológico pode existir como uma unidade totalmente independente, capaz de executar todas as funções da vida. Ele exibe qualidades próprias, apesar de nenhuma ser espiritual.

A fim de possuir realmente qualidades espirituais, a alma deve habitar o corpo, tal como no conceito original religioso. E, uma vez que a alma é uma entidade espiritual, o corpo é o destinatário das boas qualidades unicamente quando habitado pela alma. Caso contrário, ele é simplesmente como qualquer outro animal, até ao momento em que é habitado pela alma. Mas a alma é a força controladora atual, porque é o que faz o corpo nascer e o mantém também.


Abordagem Cientifica

Esta abordagem também é conhecida como a atitude “descrente”. Basicamente esta idéia nega completamente a existência de uma alma ou espiritualidade. Na verdade, a única coisa que existe é o que está aqui, o que pode ser visto ou detectado fisicamente. Todo o evento que o corpo realiza é uma função dos cálculos do cérebro no que diz respeito à dor e prazer. Os dados são recebidos através dos nossos sentidos e analisados pelo cérebro, que então determina se o que está sendo percebido causa dor ou prazer.

Então, nesta visão, o que nos separa dos animais? A diferença entre nós e digamos, o dedicado animal de estimação que está deitado a seus pés, é simplesmente o desenvolvimento avançado do cérebro humano. O cérebro humano analisa e atua em centenas de milhares de vezes mais dados do que o seu companheiro animal. Esta enorme quantidade de análise é a nossa “razão” e é a responsável pela nossa superioridade sobre qualquer outra criatura.

Evidentemente, esta abordagem é de longe a mais científica. Ela se baseia totalmente no que temos diante de nós, o que podemos ver ou detectar através de experiências científicas.

A desvantagem desta abordagem é que retira qualquer conceito romântico de humanidade e relega-nos a meros escravos do nosso ambiente, constantemente calculando prazer versus dor. Qualquer conceito de livre arbítrio vai direto pela janela fora, sendo todas as nossas ações apenas uma combinação da nossa composição genética inicial e do nosso ambiente.


Abordagem Filosófica

O conceito "filosófico" ou "moderno" retira o melhor de todos os três conceitos e tenta fornecer uma explicação para a nossa existência física e espiritual. Sim, a alma existe. Sim, a alma é o verdadeiro "nós". Sim, a alma é um ser eterno e espiritual. Sim, a nossa composição genética e o ambiente afetam fortemente a nossa maneira de ser. Claro que, e mais uma vez, levantamos muitas questões, mais do que as que respondemos, mesmo que combinemos estas três definições.

O Fracasso Geral em Definir "A Alma"

No fim de contas, os três conceitos que aceitam a existência da alma não nos conseguem explicar como ela se relaciona ao corpo, neste mundo. Nós sentimo-nos mais confortáveis com o que podemos ver, ouvir, cheirar, tocar e sentir. No entanto, a versão científica da espiritualidade deixa completamente sem resposta.

Aqui estamos nós, lutando contra uma velha dicotomia. Nós queremos acreditar em espiritualidade e na alma, mas não temos por base, absolutamente nada de concreto.

Se aplicarmos o nosso raciocínio normal para o problema, a nossa conclusão lógica é muito dolorosa para a maioria de nós engolirmos. Para resumirmos o problema ao básico, não podemos logicamente dizer que “aceitamos” a existência de algo a não ser que realmente a experimentemos. Nossa única solução seria, de alguma forma, experienciar a percepção de algo espiritual, ainda que não tenhamos nenhuma idéia concreta de perceber o que definimos como “espiritual”… ou temos?

 “O Que é a Espiritualidade?” é baseado no livro, Sabedoria Maravilhosa: O Guia Para o Estudo da Autêntica Cabala por Michael R. Kellogg.

Qual É o Sentido da Vida?


Ao longo da história da humanidade, nós, como criaturas temos procurado encontrar uma maneira de viver esta existência incrivelmente curta que todos nós experimentamos como "nossa vida" de forma pacífica e tranquila. No entanto, por alguma razão, o processo parece andar para trás. Paz e tranquilidade parecem estar presentes apenas nos primeiros anos da nossa vida, seguido por uma longa série de situações cada vez mais intensas, que nos conduzem a um labirinto de caos a que chamamos de "vida adulta".

Nós vivemos como crianças, jovens adultos, pessoas de meia idade e então como idosos, vivendo pelas experiências vulgares da vida.

Mas este processo incrível chamado “vida como a conhecemos”, pode por vezes incluir uma irritação adicional. Esta contrariedade em particular, pode surgir a qualquer momento nas nossas vidas, e sem solução aparente aos seus anseios. Geralmente é tão sutil que ao princípio nem sequer reconhecemos qual é o problema. Qual é a preocupante questão sem resposta aparente? É uma questão excepcional, uma maravilha que é ao mesmo tempo cruel, mas justa. Esta pergunta é: "Qual é o sentido da minha vida?"

Qual É o Sentido da Vida?

Geralmente, encontramos esta pergunta a intrometer-se nos nossos pensamentos sempre que atravessamos uma crise particularmente exigente. A intensidade desta pergunta é quase sempre diretamente relacionada com o sofrimento que estamos a experimentar a um dado momento. Quanto mais sofremos, maior é a gritaria. Para alguns de nós no planeta, a questão torna-se tão nítida e exigente que, começamos a procurar uma resposta.

A nossa pesquisa leva-nos por inúmeros caminhos, uma infinidade de soluções, variando de diferentes exercícios físicos a cultos estranhos, todos prometendo de uma maneira ou de outra, satisfazer o nosso desejo crescente pelo que é normalmente considerada "a verdade".

Aquele de nós, que sofrem desta busca insaciável, nos pegou indo a este encontro ou aquela palestra, lendo um livro ou assistindo a algum vídeo, sempre em busca de algo que simplesmente não conseguimos identificar. Nós sabemos o que queremos, apenas não sabemos exatamente o que é que nós queremos. Há uma carência, um vazio, falta alguma coisa. Quanto mais se procura, quanto mais tentamos soluções prometidas para anular esta “carência”, mais frustrados ficamos, quando a solução prometida só nos tira o nosso tempo, ou pior, esvazia as nossas carteiras.

Este artigo foi escrito para todos vocês que sabem exatamente do que eu estou a falar, para aqueles que experimentaram esta “carência”. Se você se encontra na descrição acima geralmente referida como "buscadores", com toda a certeza é a razão de ter achado este artigo.

Quem É um Buscador?

Buscadores podem ser encontrados em todas as camadas sociais. Você pode encontrá-los nas mais horríveis das circunstâncias, na miséria, tendo sofrido de calamidades numerosas demais para contar, ou pode encontrá-los na outra extremidade do espectro. Quantas vezes já ouvimos histórias de pessoas que aparentemente têm tudo, dinheiro, respeito, bens, amigos, família, e mesmo assim, acabam justamente de entrar para uma clínica de reabilitação, ou pior.

Muitas vezes aqueles que, literalmente “têm tudo” afinal não têm. Na verdade, eles trocariam tudo o que têm por algo que simplesmente não conseguem identificar. Eles sabem que falta algo, mas literalmente não têm idéia do que seja. Portanto, eles se voltam para as drogas, relacionamentos, e uma matriz de prazeres superficiais para saciar este crescimento constante de “carência”.

Finalmente, há muitos de nós que não sofreram uma grande tragédia.
Certamente, a maioria de nós teve a sua quota de sofrimento, mas em regra estamos razoavelmente confortáveis. Temos os nossos trabalhos diários, alimentamos e apoiamos a nossa família, e levamos vidas “normais”. No entanto, esta carência parece formigar dentro de nós, provocando e insultando. Ela nos impulsiona na busca e é o que fazemos.

Não importa qual a sua situação, este mundo não oferece nenhuma satisfação ou solução para a sua pergunta, e nenhuma resposta para saciar a sua sede, como o que lhe falta não está disponível aqui. Por “aqui”, refiro-me ao mundo em que você vive. Seu sentimento de vazio revela não só carência, mas uma necessidade de descoberta.

A Chance para Descobrir uma Nova Realidade

Isso traz a pergunta: "O que no mundo precisa ser descoberto?” Não descobrimos já tudo? O que há para descobrir neste planeta? Não começamos a explorar os céus? Não são milagres médicos encontrados para uma enorme variedade de males todos os dias? Não são os nossos computadores tão rápidos como relâmpagos, já que podemos nos comunicar imediatamente com o mundo inteiro, graças a este novo e incrível brinquedo chamado “Internet?”

O que resta para descobrir?

O objeto da descoberta é um reino que ainda não habitamos. É o domínio das fontes, desejos, sentimentos e pensamentos. É o reino do Criador, e é simplesmente chamado de “espiritualidade”.

 “Qual É o Sentido da Vida?” é baseado no livro, Sabedoria Maravilhosa: O Guia Para o Estudo da Autêntica Cabala por Michael R. Kellogg.